Dermatologia

Fazer o diagnóstico e o tratamento clínico-cirúrgico das alterações da pele, dos cabelos e das unhas (anexos cutâneos), bocas e genitais (mucosas) são as atribuições desse especialista, que também cuida da parte estética. Para ser um Dermatologista, o médico precisa fazer durante três anos a residência médica e depois obter o título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A Clínica Arruda conta com uma equipe altamente qualificada, composta por profissionais ligados a hospitais de referência como o da PUC Campinas e Unicamp. Todos os médicos da Clínica – Lúcia Arruda, Ana Carolina Bazán Arruda, Carolina Bulisani, André Luiz Simião, Renan Lage e Ana Helena Kalies Oliveira - são membros da SBD.

Cirúrgica

É um dos procedimentos mais realizados pelo dermatologista e consiste na retirada de um pequeno fragmento cutâneo de área acometida por doença ou determinada condição que se queira investigar.

É realizado sob anestesia local e o fragmento cutâneo poder ser retirado através de incisão por punch ou lâmina de bisturi.

É um procedimento rápido e geralmente pouco incômodo. O fragmento é sempre enviado para análise de um dermatopatologista. Pode ser feito na pele, couro cabeludo, mucosas e unhas.

Existem inúmeras lesões de pele que podem ser tratadas cirurgicamente como verrugas, acrocordons, manchas, tumores de pele, cistos, lipomas, pintas (nevos) e outras.

Todos os métodos de retirada das lesões buscam livrar o paciente da lesão de maneira definitiva com o melhor resultado estético possível. Dependendo do tamanho e da localização da lesão, a correção é feita com técnicas precisas que visam o melhor resultado estético.

Na Clínica Arruda, todos os dermatologistas têm treinamento especial para a retirada e reparação de qualquer tipo de lesão cutânea, além de contar ainda com a ajuda de um cirurgião plástico para as lesões maiores e de localização mais difícil.

1) O que é a cirurgia micrográfica de Mohs?
A cirurgia de Mohs é uma técnica cirúrgica que permite a avaliação de 100% das margens cirúrgicas. Após a retirada do tumor, as margens tumorais são mapeadas, congeladas e avaliadas microscopicamente, para garantir a retirada completa da neoplasia. Este tipo de avaliação das margens cirúrgicas proporciona a essa técnica as melhores taxas de cura e os menores índices de recidiva nos tumores de pele.

2) Como é realizada a cirurgia de Mohs?
O procedimento cirúrgico normalmente é realizado sob anestesia local, com o paciente acordado. O cirurgião de Mohs, delimita as margens tumorais e realiza sua retirada, mapeando as margens, conforme esquema abaixo:


Fig.1- O tumor de pele delimitado em azul. Margens laterais 1 e 3 e fragmento central 2.

Após a confecção das margens tumorais, os fragmentos são congelados e cortados no criostato cirúrgico. Após, são confeccionadas lâminas histológicas para avaliação microscópica.


Fig.2- Peça congelada, pronta para a realização do corte no criostato.


Fig. 3 – Lâminas histológicas prontas para avaliação

Esta avaliação determina se as margens cirúrgicas estão livres ou comprometidas pelo câncer. Como a avaliação é minuciosa, caso ainda haja neoplasia, o cirurgião de Mohs consegue identificar exatamente onde há esse resquício tumoral, podendo fazer a retirada da forma mais precisa possível, economizando pele sã.
Com todas as margens livres de neoplasia, o ferimento cirúrgico é reconstruído e o paciente liberado.

3) Quais as indicações da cirurgia de Mohs?
As principais indicações da cirurgia de Mohs são os tumores do tipo não melanoma da face, principalmente o carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. Contudo, todos os tipos de câncer de pele, em qualquer região do corpo podem ser tratados com a cirurgia micrográfica de Mohs. No caso de tumores recidivados (que ocorrem novamente no mesmo local), a cirurgia micrográfica de Mohs traz maior segurança para um tratamento definitivo do tumor.

Referências
1) Mohs Micrographic Surgery.
2) Mohs micrographic surgery: current techniques.
3) Surgical excision versus Mohs' micrographic surgery for primary and recurrent basal-cellcarcinoma of the face: a prospective randomised controlled trial with 5-years' follow-up.
4) Mohs Micrographic Surgery for the Management of Cutaneous Malignancies.
5) The operative management of melanoma: where does Mohs surgery fit in?

A cirurgia das unhas pode ser realizada para correção de inúmeras afecções, tais como:
• unhas encravadas
• tumores ungueais e periungueais
• cistos periungueais
• paroníquea crônica (mãos de lavadeira): inflamação nas cutículas
• alterações ósseas com deformidade da lâmina da unha (unha em pinça)
• correções de outras deformidades da matriz, do leito ou lâmina das unhas

A cirurgia das unhas deve sempre ser feita por médicos que estudam e entendem a fisiopatologia deste anexo cutâneo; assim, melhores resultados são obtidos. A Clínica Arruda possui dermatologistas especializados em tratamento de doenças da unha, tanto clínicos quanto cirúrgicos, o que proporciona uma resolução mais eficiente do problema.

Consiste na retirada, ablação ou fulguração de lesões cutâneas através de tecnologia a laser. A Clínica Arruda está equipada com o aparelho Laser Pixel de Co2 para a realização deste tipo de procedimento.

Consiste na destruição de lesões da pele por congelamento. Pode ser realizada superficialmente com ciclos curtos de congelamento (para tratamento de ceratoses actínicas, melanoses solares, verrugas e outras) ou congelamento profundo (para tratamento de tumores e cânceres cutâneos).

Consiste na destruição de lesões cutâneas por substâncias químicas. As substâncias mais usadas são o ATA (Ácido Tricloroacético), Ácido Nítrico e Fenol. Esta técnica pode ser usada para cauterizações de lesões benignas pequenas como as ceratoses actínicas, as verrugas virais ou mesmo para o rejuvenescimento da pele, através da aplicação dos peelings químicos.

Consiste na destruição de lesões cutâneas através do mecanismo de fotossensibilização. Um produto é aplicado na área a ser tratada e é deixado por algumas horas. A pele absorve este produto e depois é exposta a uma fonte de luz específica, luz azul ou vermelha, que destrói os tecidos danificados.

É indicada para lesões como ceratoses actínicas e cânceres de pele superficiais. Por este motivo também pode ser utilizado como método de rejuvenescimento da pele (face, pescoço, couro cabeludo, dorso de mãos e antebraços).

Na dermatologia, a toxina botulínica é uma substância usada para paralisar os músculos, tratando, deste modo, as rugas dinâmicas da face. É mais utilizada para tratamento das rugas do terço superior da face (fronte/ redor dos olhos e glabela), mas, atualmente, vem sendo empregada também para melhora do contorno facial, para as rugas do pescoço, elevação da ponta do nariz, para o sorriso gengival e, ocasionalmente, para rugas ao redor de boca. Não se deve esquecer também que a toxina botulínica é muito utilizada para tratamento da hiperhidrose axilar (excesso de transpiração das axilas).

Na Clínica Arruda, todos os dermatologistas estão treinados para utilizar esta substância de modo correto e com resultados bastante naturais.

Clínica

A acne é uma doença inflamatória crônica da unidade pilossebácea e acomete aproximadamente 80% da população jovem.O início, em geral, ocorre na adolescência por estímulo dos hormônios masculinos sobre as glândulas sebáceas, que aumentam a produção do sebo.

Alterações nas células do folículo do pelo resultam na retenção da secreção de sebo, que, junto com os restos celulares, formam os comedos (cravos), que são as lesões iniciais da acne. Este meio também se torna propício ao desenvolvimento de bactérias que auxiliam na formação do processo inflamatório que ocasiona as lesões inflamatórias da acne - pápulas, pústulas e nódulos - levando à formação de cicatrizes. Assim, a acne pode evoluir para cura com ou sem cicatriz.

Além da possibilidade de formação das cicatrizes, a acne, na maioria dos adolescentes, ocasiona transtornos psicossociais que interferem na qualidade de vida e levam o paciente a procurar tratamento.

Os tratamentos clássicos e que atualmente são preconizados para a acne objetivam corrigir um ou mais dos fatores envolvidos na origem da doença. A escolha dependerá da gravidade e da extensão da doença.

Apresentações pouco inflamatórias e pouco extensas são tratadas, em geral, com medicamentos tópicos; entre eles, o peróxido de benzoíla, os retinoides e seus derivados, o ácido azelaico e o glicólico.

Nos casos mais graves e extensos utilizam-se medicamentos sistêmicos, como os antibióticos, os antiandrógenos (inibidores de hormônio masculino) e a isotretinoína.

Todos esses tratamentos são bem conhecidos e têm indicações precisas, mas, ocasionalmente, podem desencadear efeitos adversos e, por isso, necessitam do acompanhamento de um dermatologista.

O tratamento também deve ser individualizado para cada caso, pois as pessoas possuem lesões diferentes e respondem de modo diverso aos tratamentos, o que demonstra que o que é bom para um paciente pode não ser tão bom para outro.

DIETA
Até há pouco tempo não se considerava que a dieta interferisse no desencadeamento e manutenção da acne. Mais recentemente, vários estudos têm demonstrado que dietas hiperglicemiantes (que aumentam muito a glicemia) desencadeiam, pioram ou mantêm a acne. Por isso, a tendência mais moderna é evitar alimentos que aumentem rapidamente a glicemia, como doces, chocolates, hidratos de carbono (pão, macarrão), e certas suplementações alimentares, muito em voga no momento.

LUZ SOLAR
Muitos pacientes, independente do uso de medicamentos, descrevem uma melhora importante da acne quando se expõem à luz solar. Vários estudos têm demonstrado que a luz visível é uma modalidade alternativa e efetiva para tratamento da acne. A luz visível produz uma reação fotodinâmica que destrói as bactérias que induzem a acne. Assim, o tratamento com luz, em especial a LUZ AZUL ou LUZ VERMELHA, pode ser efetivo, pois causa um dano seletivo à unidade pilossebácea, destruindo as bactérias sem produzir qualquer dano à pele ao redor. Além disso, diferente do espectro da radiação ultravioleta do sol, esta luz tem a vantagem de não induzir câncer de pele.

Alguns pacientes também apresentam melhora do quadro acneico com tratamentos à base de luz intensa pulsada, que além de melhorar o avermelhamento parece diminuir as substâncias que contribuem para a inflamação na acne. Deste modo, há várias terapêuticas que podem ser usadas em conjunto com o tratamento medicamentoso, o que propicia a possibilidade de menos efeitos colaterais.

LIMPEZAS DE PELE
O acompanhamento da acne em conjunto com o trabalho de uma esteticista é muito importante, pois a remoção dos comedos diminui a evolução para lesões inflamatórias e a drenagem destas propicia uma regressão mais rápida do quadro. Além disso, alguns peelings superficiais são capazes de diminuir o quadro acneico e melhorar as lesões residuais, pigmentadas e avermelhadas, e preparam a pele para um possível tratamento das cicatrizes em uma fase posterior.

TRATAMENTO DAS CICATRIZES DA ACNE
O paciente deve se lembrar de que sempre é melhor tratar a acne de modo eficiente antes de apresentar cicatrizes do que tratá-las em uma fase posterior, pois, nesta fase, o tratamento é mais caro e leva mais tempo. Entretanto, se o paciente já passou da fase inflamatória ativa da acne e apresenta cicatrizes, sempre há possibilidade de se instituir tratamentos que melhoram o quadro.

Cada caso é especial e há inúmeros tratamentos de cicatrizes que dependem do tipo de lesão que o paciente apresenta. Assim, sempre há necessidade de se avaliar previamente para a instituição de um programa de tratamento específico.

A Clínica Arruda, sempre preocupada em inovar e oferecer os tratamentos mais modernos aos seus pacientes, já vem utilizando várias destas modalidades de tratamento há anos, com excelentes resultados.

As unhas fazem parte dos anexos da pele e sempre devem ser avaliadas e tratadas pelo dermatologista. Existem inúmeros problemas que acometem as unhas e que causam sintomas diferentes, sendo os mais comuns:

  • Espessamento da unha: pode se tratar de micose da unha (apenas 30% das unhas grossas são micoses), psoríase, doenças genéticas ou tumores.
  • Descolamento: pode ser decorrente de trauma, micose ou doença inflamatória do leito da unha, como a psoríase.
  • Manchas brancas: podem ser devido a micoses superficiais da unha, trauma da matriz da unha, psoríase, uso excessivo de esmalte.
  • Manchas esverdeadas: podem ser devidas a infecções por bactérias, comuns em lavadeiras ou donas de casa que mantêm as mãos úmidas.
  • Manchas pretas: podem ser decorrentes de trauma por sapatos apertados, mas também podem ser devido a pintas no leito da unha e até a um câncer de pele como o melanoma.
  • Unha encravada: geralmente ocorre por corte inadequado da unha - o canto não é retirado adequadamente e cresce dentro da pele causando muita dor, desconforto e até infecções. Outros tipos de encravamento podem acontecer por problemas nos ossos dos dedos que deformam a lâmina da unha, elevando-a e pinçando o dedo.
  • Unhas fracas: apresentam-se como unhas descamativas e quebradiças, com lâmina que se dobra facilmente. Podem ser decorrentes de déficit de vitaminas ou doenças de outros órgãos, genética ou exposição excessiva a água e produtos detergentes.

tratamento das doenças das unhas depende de sua origem e pode ser feito com cremes dermatológicos, medicações via oral ou cirurgias, tratamento a laser e radiofrequência. Dependendo do problema, o trabalho conjunto com uma podóloga é muito importante. Por isso, é necessária a avaliação de um especialista para estabelecer o melhor tratamento.

A Clínica Arruda possui dermatologistas especializados em coleta de material e tratamento cirúrgico de unhas.

Os cabelos são importantes para a proteção da cabeça contra as ações da luz ultravioleta, mas também apresentam função importante na autoestima e nas interações sociais.

Se a calvície pode ser tolerável nos homens, nas mulheres a perda de cabelo é tão perturbadora quanto o crescimento de pelos corporais ou faciais excedendo a quantidade culturalmente aceitável; a perda sutil nas mulheres pode constituir um problema clínico muito maior do que a perda franca em homens.

Assim, embora os pelos não sejam uma exigência para a sobrevivência do ser humano, eles são extremamente importantes para o equilíbrio social e psicológico do indivíduo, pois interferem na sua autopercepção e relação com o meio, interferindo, de modo importante, na qualidade de vida.

Tipos de Pelos:

1- Velos: finos, pouco desenvolvidos, claros, macios, raramente com mais de dois cm de comprimento, como os encontrados em recém-nascidos, em crianças e em certas áreas do corpo dos adultos.

2- Terminais: mais longos, mais grossos e, muitas vezes, pigmentados.

ATIVIDADE CÍCLICA DO FOLÍCULO DO PELO:

Cada folículo do pelo possui um ritmo intrínseco, próprio, cíclico, não sincronizado e que compreende várias fases:

  • Fase Anágena: é a fase de crescimento, na qual o pelo permanece a maior parte de seu ciclo. Pode durar de 3 a 8 anos, tem influência genética e é o que determina o comprimento máximo do cabelo de uma pessoa;
  • Fase Catágena: ou fase de transição. Tem duração relativamente curta, de +/- 2 semanas;
  • Fase Telógena: ou de repouso. Tem duração de +/- 3 meses; é quando começa uma nova fase do ciclo do novo pelo e quando o antigo se desprende e é eliminado.

Cada folículo passa através do ciclo capilar de 10 a 20 vezes em uma vida. A duração da atividade dos folículos varia grandemente com a espécie animal e, dentro da mesma espécie, varia de região para região, com a estação e com a idade. Por exemplo: em relação a pelos terminais em homens japoneses jovens, foi estimado que a duração da fase anágena é de 19 a 26 semanas na perna, 6 a 12 semanas no braço, 4 a 13 semanas no dedo, 4 a 14 semanas no bigode e 8 a 24 semanas na região abaixo da têmpora. Médias estimadas de 54 e 28 dias, respectivamente, foram tiradas para as coxas e braços de homens caucasóides (brancos), e 22 dias para cada uma destas localizações em mulheres. É sabido que no couro cabeludo humano a fase anágena pode durar de 3 a 7 anos.

No couro cabeludo humano a atividade de cada folículo é independente da dos seus vizinhos; esse padrão é conhecido como mosaico. Em qualquer momento, em média, cerca de 13% dos folículos estão em fase telógena, embora a variação possa ser grande. Se houver cerca de 100.000 folículos no couro cabeludo e o período de ciclo for de cerca de 100 dias, mais ou menos 100 fios de cabelo deveriam cair por dia. Deste modo, pode-se estimar que uma queda de 100 fios por dia é considerada normal e fisiológica e corresponde à renovação capilar normal. Os cabelos caem mais na lavagem e ao pentear e deve-se atentar que cabelos longos fazem um volume maior apesar de representarem o mesmo número de fios.

AVALIAÇÃO DE QUEDA DE CABELO
A avaliação tem início com o exame clínico para determinar se há realmente queda de cabelo e, se houver, qual é o tipo de queda. Depois, alguns exames podem ser solicitados e, se necessário, solicitam-se biópsia do couro cabeludo e exame do fio de cabelo, que é denominado tricograma (análise dos fios, da matriz e da haste). Somente depois que a causa foi diagnosticada é que se deve instituir o tratamento mais adequado.

A Clínica Arruda tem dermatologistas especializados na avaliação das causas de queda de cabelo, assim como nos tratamentos mais adequados, inclusive implantes capilares.

O câncer cutâneo caracteriza-se pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. É o mais frequente dos tumores existentes. Acomete aproximadamente 14% dos homens e 9% das mulheres brasileiras, segundo os últimos dados da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele organizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Qualquer pessoa pode ter câncer de pele, porém existem alguns fatores de risco, como: pessoas muito claras, que se queimam facilmente; exposição excessiva e prolongada ao sol; indivíduos com história familiar de tumor na pele; exposição a compostos ocupacionais como alcatrão ou arsênio; cicatrizes de queimaduras.

Muitos tumores de pele poderiam ser evitados se medidas de prevenção fossem aplicadas.

Os tipos mais comuns e frequentes de câncer de pele são o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

Carcinoma Basocelular
Dentre todos é o tipo mais frequente e representa 70% dos casos. É mais comum após os 35-40 anos, em pessoas de pele clara. O aparecimento está diretamente ligado à exposição solar cumulativa durante a vida. É mais frequente em áreas expostas ao sol (cabeça, pescoço, braços e mãos) e se apresenta como elevações ou áreas avermelhadas e brilhantes, com crescimento lento, de meses a anos. Apesar de não causar metástases (espalhar para outras áreas do corpo), o carcinoma basocelular pode causar importantes danos locais quando acomete estruturas abaixo da pele tais como nervos, cartilagens e ossos. Por isso, deve ser tratado o mais rápido possível.

O tratamento vai depender do tipo de lesão, da idade, das doenças concomitantes que o paciente apresenta e do local em que a lesão está situada. Pode-se fazer tratamento cirúrgico (retirada e sutura da lesão), terapia fotodinâmica (aplicação de produto químico e exposição a luz vermelha ou azul), quimioterápico local com imiquimode, congelamento com nitrogênio líquido, curetagem e eletrocoagulação com bisturi elétrico. O laser não é tratamento para carcinoma basocelular, a não ser que seja usado apenas para o corte da lesão e posterior sutura.

Carcinoma Espinocelular
É o segundo tipo mais comum de câncer de pele. Também é mais encontrado em pessoas de pele clara com história de intensa exposição solar. Outras causas são o tabagismo, a exposição a substâncias químicas como arsênio e alcatrão e alterações de imunidade. Acomete mais orelha, face, lábios e boca e pode aparecer como uma elevação avermelhada que descama e que pode ulcerar (virar ferida) e também invadir outros tecidos. Diferente do carcinoma basocelular, este tumor pode ocasionar metástases; por isso, é importante que seja tratado o quanto antes. Quando diagnosticado e tratado rapidamente, a taxa de cura, tanto do carcinoma basocelular quanto do carcinoma espinocelular, é de aproximadamente 95%.

Melanoma
É o tipo mais letal de todos os cânceres de pele. O melanoma se origina dos melanócitos, que são células responsáveis pela produção do pigmento da pele, a melanina. As células do melanoma se reproduzem rapidamente produzindo muita melanina, o que confere às lesões um aspecto multicolorido.

exposição excessiva ao sol, especialmente as queimaduras solares de repetição, e os fatores genéticos são as principais causas de melanoma.

É mais comum em pessoas de pele clara, porém pessoas de pele negra não estão isentas de desenvolver este câncer. Este tumor tem alto potencial de produzir metástases e pode levar à morte se não houver diagnóstico e tratamento precoce.

Sinais de perigo

  • crescimento de mancha na pele com aparência elevada e brilhante, avermelhada, acastanhada, rósea ou multicolorida;
  • "pinta" preta ou acastanhada que muda sua cor, textura, torna-se irregular na sua borda e cresce de tamanho;
  • mancha ou ferida que continua a crescer apresentando coceira, crosta, erosões ou sangramento.

Tratamento do câncer de pele
Se uma biópsia de pele revelar câncer, o médico deve programar a retirada da lesão; o modo de retirada vai depender do tipo, tamanho e localização do tumor. Tipos de tratamento: cirurgia convencional, cirurgia micrográfica de Mohs, terapia fotodinâmica, criocirurgia, uso de creme de imiquimode e radioterapia. O diagnóstico precoce é a melhor forma de cura!

Como prevenir

  • Examinar regularmente a pele e procurar os sinais de perigo. Uma vez identificado algum sinal, procurar um dermatologista.
  • Além disso, proteger-se da radiação ultravioleta com uso de protetores solares com FPS 15, no mínimo, e com amplo espectro (proteção UVA e UVB), reaplicado a cada 2 horas ou a cada vez que sair da água, mesmo em dias nublados. Usar óculos de sol, chapéu e roupas adequadas sempre que possível. Iniciar o uso de protetores solar após os 6 meses de idade. Usar diariamente em áreas expostas, pois a exposição que mais contribui para o câncer de pele é a exposição crônica e repetida.
  • Procurar sombra, principalmente entre 10 e 16 horas, horário em que os raios ultravioletas são mais intensos.
  • Usar roupas, chapéu e óculos escuros que fazem proteção mecânica da pele.

Evitar câmaras de bronzeamento artificial.

Dermatite atópica é uma doença crônica que causa inflamação da pele, levando ao aparecimento de lesões e coceira. Cerca de 30% dos indivíduos com dermatite atópica têm asma ou rinite alérgica e 15% têm surtos de urticária. A maioria dos pacientes tem antecedentes familiares de atopia (asma, rinite alérgica ou dermatite atópica).

O indivíduo com dermatite atópica tem um aumento da reatividade da pele frente a inúmeros estímulos. Os mecanismos responsáveis por esta reatividade alterada não são completamente conhecidos. Sabe-se que fatores genéticos, imunológicos e não-imunológicos contribuem para o aparecimento ou manutenção da crise.

Os principais desencadeantes são: alimentos (leite, ovo, trigo, soja, amendoim, peixes e frutos do mar), fatores ambientais (ácaros, fungos, animais e pólens), irritantes cutâneos (lã, sabão, detergentes, amaciantes de tecido, solventes e suor), infecções (vírus e bactérias) e fatores emocionais.

O sintoma mais comum é uma intensa coceira. As lesões mais frequentes são: vermelhidão, inchaço, secreção na pele, crostas e descamação; pele ressecada e manchas brancas (pitiríase alba). São mais frequentes lesões nas dobras como punhos, parte anterior dos braços e posterior das pernas.

O tratamento depende da gravidade e da extensão das lesões. A hidratação da pele é ponto fundamental no tratamento. Podem ser utilizados creme ou pomadas de corticosteróide, anti-histamínicos por via oral, para controlar a coceira e diminuir as erupções na pele. Os imunomoduladores e imunossupressores também são indicados para auxiliar no tratamento.

Não há mecanismo de prevenção, mas a dermatite atópica pode ser controlada através de cuidados com a exposição a fatores que possam desencadear a doença.

A dermatite seborreica, também conhecida como caspa em sua manifestação mais branda, é uma inflamação crônica da pele de regiões ricas em glândulas sebáceas, principalmente o couro cabeludo. A doença piora durante o inverno, possivelmente devido à ativação das glândulas sebáceas e à menor incidência de luz ultravioleta na superfície da terra.

Pode acometer até 90% da população em todo mundo conta com muitas opções de tratamento para seu controle.

As manifestações mais frequentes da dermatite seborreica ocorrem no couro cabeludo e se caracterizam pelo aumento de oleosidade (seborreia), descamação (caspa) e prurido (coceira). A dermatite seborreica pode variar desde descamação fina ("caspa") até a formação de grandes crostas, aderidas ao couro cabeludo. Quando acomete a pele de outras regiões, as lesões da dermatite seborreica são avermelhadas e apresentam descamação gordurosa. Ocorrem principalmente no rosto (contorno nasal, sobrancelhas, supercílios e fronte), orelhas, região retroauricular e centro da região anterior do tórax.

A dermatite seborreica acomete predominantemente as áreas ricas em glândulas sebáceas; procedimentos básicos de higiene, como a lavagem frequente do couro cabeludo e a remoção da oleosidade, são importantes para o controle do quadro.

Além da higiene, o problema pode também ser controlado através do uso de medicamentos, principalmente em xampus, que controlam o crescimento da Malassezia, um fungo que habita as regiões ricas em glândulas sebáceas e que é um dos desencadeadores da doença. Há também outras novas opções de tratamento que atuam no controle do micro-ambiente cutâneo por meio da utilização de xampus e loções formulados com pH ácido, abaixo do pH da pele, e que melhoram as manifestações da doença.

Nos casos mais graves, extensos e recorrentes, pode-se também utilizar medicamentos via oral, como a isotretinoína ou a luz UVB (ultra-violeta B) de banda curta.

A doença é crônica com períodos de melhora e de piora e o tratamento visa o controle das manifestações e não a cura da doença.

O envelhecimento da pele é um fenômeno dinâmico e complexo que reflete as alterações produzidas pela associação do envelhecimento denominado intrínseco, que está relacionado aos fenômenos genéticos, familiares, hormonais e oxidativos do próprio funcionamento orgânico, com o envelhecimento denominado extrínseco, em que a radiação ultravioleta representa o desencadeador mais importante, sendo este tipo de envelhecimento comumente denominado de fotoenvelhecimento.

Frequentemente o fotoenvelhecimento e o envelhecimento intrínseco são considerados como fenômenos separados, mas estes dois modos de envelhecimento cutâneo compartilham alterações importantes, sendo, por isso, difícil separar os mecanismos envolvidos em cada processo.

Além do sol, o cigarro é o segundo fator mais importante do envelhecimento e pessoas que fumam e se expõem demasiadamente ao sol apresentam um envelhecimento 10vezes mais intenso do que as pessoas não expostas a estes desencadeadores.

A associação dos fenômenos internos e externos acarretarão alterações na superfície da pele assim como na derme, onde se localizam as fibras colágenas e elásticas que ficam alteradas e se depositam na região. Há também alterações nas glicosaminoglicanas, responsáveis pela retenção de água na pele. Estas alterações são responsáveis pela aparência courácea, endurecida, pela perda do brilho e da elasticidade da pele fotoenvelhecida. Predominam nas áreas cronicamente expostas ao sol, sendo mais intensas e visíveis nas pessoas de pele clara e que se expuseram mais ao sol. Também aumentam com o correr dos anos, pois as alterações do envelhecimento extrínseco se somam às do intrínseco.

Como a média de idade da população mundial e do Brasil está aumentando, a demanda por tratamentos denominados "rejuvenescedores" cresce a cada dia. Quando se pretende tratar o envelhecimento cutâneo, faz-se necessário avaliar a intensidade desta manifestação e estabelecer, a partir disso, um programa de tratamento, que poderá ser realizado tanto em casa quanto em consultório.

TRATAMENTO PREVENTIVO
Como o processo do envelhecimento cutâneo é contínuo, progressivo e tempo dependente, o tratamento preventivo é o enfoque mais importante no esquema terapêutico. A prevenção também permite ao organismo recuperar os danos através de mecanismos próprios de reconstituição.

Neste item serão abordados a proteção solar e as substâncias anti-oxidantes, como a Vit C e Vit E, reconhecidas como importantes na prevenção do envelhecimento.

TRATAMENTO CLÍNICO
Este tratamento pode ser realizado com produtos para uso sistêmico, como as vitaminas ou com produtos para uso local, que apresentam ação na epiderme e na derme, interferindo na proliferação e coesão das células da epiderme, na diminuição do estrato córneo e na remodelação das fibras colágenas e elásticas. Este tratamento é realizado sempre em associação com outras modalidades, no preparo e na correção de alterações da pele e na manutenção após os procedimentos cirúrgicos. Os tratamentos mais utilizados são o ácido retinóico e outros derivados da Vit A e os alfahidroxiácidos.

Antioxidantes

São substâncias que podem diminuir ou bloquear as reações de oxidação induzidas pelos radicais livres. O corpo humano mantém um equilíbrio entre os antioxidantes naturais e o estresse oxidativo que pode ser alterado por poluição, fumo e radiação ultravioleta. Assim, a cada dia aumenta a ênfase ao uso destes produtos.

Vitamina C: (ácido L-ascórbico): dentre os AO é a substância mais estudada, com estudos científicos que demonstram o benefício do uso sistêmico e também tópico. Parece ter papel importante na síntese do colágeno e na melhoria da função da barreira da pele. A aplicação tópica produz uma concentração cutânea maior do que a obtida pela dieta ou suplementação oral. Pode ser empregada em várias concentrações (5-15%), com veículos variados (gel, cremes, emulsões), e atualmente está incorporada em uma variedade de produtos cosméticos colocados à disposição do público.

Vitamina E: protege as estruturas lipídicas e as proteínas do extrato córneo, da oxidação. Sua forma mais ativa é o alfa-tocoferol. Em combinação com a Vitamina C, provavelmente protege a pele contra o avermelhamento induzido pela radiação ultravioleta.

TRATAMENTO CIRURGICO
O tratamento cirúrgico do envelhecimento compreende todos os procedimentos nos quais se realiza uma intervenção como esfoliações, uso da toxina botulínica, preenchimentos cutâneos ou correções cirúrgicas propriamente ditas.

Condição comum em ambos os sexos, mas mais comuns em mulheres jovens. Pode aparecer em 50-90% das gestantes. As fibras colágenas e elásticas podem ser alteradas ou danificadas pelo estiramento cutâneo contínuo e progressivo que ocorre na adolescência, na gravidez, na obesidade, no aumento rápido de massa muscular ou em certas alterações hormonais, como a síndrome de Cushing ou o uso de corticosteroides tópicos ou sistêmicos.

Fatores genéticos também estão envolvidos e são importantes. A história prévia pessoal de estria é o fator preditivo mais importante de ocorrência de estria na gestação.

As lesões se apresentam deprimidas, lineares e ocorrem nas coxas, nádegas, mamas e abdome nas mulheres e, nas coxas, braços e região lombar nos homens. Podem ser assintomáticas ou causarem coceira e ardência durante o aparecimento.

As estrias são classificadas em recentes e antigas. As recentes podem apresentar sintomas como coceira ou ardência e são violáceas. As antigas ficam esbranquiçadas e finas.

Em qualquer estágio elas podem e devem ser tratadas, principalmente se o aspecto estético incomoda. Existem várias opções de tratamento e, geralmente, associa-se o tratamento domiciliar com cremes aos tratamentos realizados em consultório com peelings químicos ou físicos e lasers. O importante é o paciente se dedicar ao tratamento e seguir todas as orientações prescritas pelo médico. O paciente não deve se automedicar e seguir o tratamento da colega, pois cada caso é abordado de maneira diferente.

O médico que melhor trata as estrias é o dermatologista, por ser um profundo conhecedor da pele.

A Hanseníase é uma doença infecto contagiosa com manifestação cutânea. É uma doença endêmica no Brasil. Os sintomas são manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele, que caracteristicamente apresentam diminuição ou ausência da sensibilidade, da transpiração e da pilificação.

Antigamente conhecida como Lepra, a Hanseníase hoje tem tratamento e suas complicações podem ser evitadas com diagnóstico e tratamentos precoces.

Inúmeras doenças dermatológicas podem manifestar-se como manchas na pele, desde doenças benignas, ou infecciosas até doenças imunológicas ou cânceres cutâneos.

Por isso é prudente consultar sempre o dermatologista para o diagnóstico correto e o tratamento mais rápido e eficaz para cada tipo de mancha.

Os tipos mais comuns são:

  • Manchas brancas: podem ser micoses cutâneas, dermatite atópica, hanseníase, tumores como linfoma ou micose fungoide, vitiligo, discromias hereditárias e genéticas.
  • Manchas vermelhas: podem ser doenças inflamatórias como lúpus, psoríase, eczemas, doenças infecciosas como hanseníase, rubéola, sarampo, entre outras, e tumores cutâneos.
  • Manchas acastanhadas ou marrons: podem ser manifestações de doenças genéticas (neurofibromatose), nevos (pintas), melasma (na face), melanoses solares, hipercromias pós-inflamatórias etc.
  • Manchas enegrecidas: podem ser manifestações de tumores cutâneos graves como o melanoma, hematomas, tumores benignos da pele, queratose seborreica etc.
  • Manchas anestésicas (sem sensibilidade): a anestesia é um dos sintomas mais importantes de hanseníase; toda mancha anestésica deve ser investigada.

Tendo em vista o grande número de diagnósticos diferencias das manchas da pele, é fundamental a avaliação do dermatologista para diagnóstico e tratamento corretos.

As micoses superficiais, também chamadas "tinhas" ou "tineas" são infecções causadas por fungos que acometem a pele, as unhas e os cabelos. Em condições propícias como calor, umidade, baixa imunidade, pele gordurosa, os fungos se reproduzem causando a doença.

Tipos mais comuns:

  • Tinha da cabeça: forma áreas com falhas nos cabelos, que se apresentam cortados rente ao couro cabeludo. Esta forma de micose superficial é muito contagiosa e acomete crianças.
  • Micose das unhas: pode apresentar descolamento da borda livre da unha, espessamento, manchas brancas na superfície ou deformação da unha, causando constrangimento às pessoas.
  • Tinha dos pés ("frieira" ou "pé de atleta"): causa descamação, deixa a pele branca e mole, ocorrem fissuras e coceira entre os dedos dos pés. Bastante frequente devido ao uso constante de calçados fechados que retêm a umidade, também pode ocorrer nas mãos de pessoas que trabalham com água e sabão.
  • Tinha inguinal ("micose da virilha"): apresenta-se como áreas avermelhadas e descamativas com bordas delimitadas, que podem se expandir para coxas e nádegas, acompanhadas de muita coceira.
  • Tinha do corpo ("impingem"): são lesões arredondadas que coçam; iniciam-se com pontos avermelhados que se abrem em anel de bordas avermelhadas e descamativas com centro tendendo a cura.
  • Ptiríase versicolor ("micose de praia" ou "pano branco"): forma manchas claras recobertas por descamação fina, evidentes ao estiramento da pele. Atinge as áreas de maior produção de oleosidade como tronco, face, pescoço e couro cabeludo.

Cuidados para se evitar as micoses:

  • Secar bem as dobras de pele após o banho (axilas, virilhas e dedos dos pés).
  • Evitar compartilhar objetos de uso pessoal (roupas, calçados, pentes, bonés).
  • Evitar roupas molhadas por tempo prolongado.
  • Evitar andar descalço em pisos constantemente úmidos (vestiários, saunas etc.).
  • Evitar roupas quentes e justas, dar preferência aos tecidos de algodão.
  • Evitar uso de calçados fechados.
  • Não mexer na terra sem luvas.
  • Usar somente material próprio em manicures.

Tratamento
O tratamento correto das micoses deve ser feito pelo dermatologista, pois é o médico indicado para identificar o tipo da micose e definir corretamente a medicação e o tempo de tratamento.

Podem ser usados produtos locais sob a forma de cremes, loções, talcos dermatológicos, esmaltes ou medicamentos via oral, dependendo da intensidade do quadro.

O tratamento das micoses pode durar de 30 a 60 dias até 12 meses, dependendo do fungo e do local acometido. O tratamento não deve ser interrompido, pois o fungo das camadas mais profundas da pele pode resistir e a infecção pode reaparecer.

Além da prevenção do envelhecimento, a proteção solar é importante no tratamento clínico e também no manuseio do paciente cirúrgico, pois nessas condições a pele tem uma capacidade diminuída de filtrar a radiação solar.

Deve-se enfatizar recomendações como a exposição ao sol em horários em que a incidência de UVB é menor, tais como início da manhã e final da tarde, o menor tempo de exposição ao sol e o uso de proteção física com chapéus, vestimentas e permanência na sombra.

Há dois tipos de protetores solares: os que absorvem a energia solar, denominados de químicos, e aqueles que a refletem, os físicos.

Devem ser prescritos e preconizados desde a infância, a partir dos 6 meses e principalmente na adolescência, período de maior exposição ao sol, a fim de que sejam feitas tanto a prevenção aguda em relação a queimadura quanto a prevenção crônica, relacionada ao câncer de pele.

Outras orientações importantes são:

  • utilização do produto o ano todo,
  • utilização também em dias nublados, quando 80% da radiação UV é transmitida,
  • aplicação 30 minutos antes da exposição ao sol e
  • reaplicação ao longo do dia.

Os protetores químicos absorvem a energia luminosa e a transforma em calor. Esta capacidade é medida através do fator de proteção solar (FPS) e reflete a proteção para a radiação UVB. Aplicações adequadas são importantes para o protetor solar ser eficiente. A quantidade recomendada é de 2mg/cm² (segundo FDA), ou seja, ½ a 1 colher de chá para a face, cada braço, ombros e pescoço; 2 colheres de chá para o tronco superior; perto de 40g para todo o corpo. Ao se aplicar metade da quantidade indicada de um produto cujo FPS é 15, por exemplo, o FPS diminui para 4.

Por isso, são necessárias orientações corretas sobre a quantidade do produto a ser aplicada na pele, pois quantidades menores tendem a diminuir o FPS e, portanto, a eficácia do produto.

São necessárias orientações sobre a proteção UVB e UVA e ambas as especificações deverão estar referidas na rotulagem dos produtos. Os protetores físicos são também denominados de bloqueadores solares e refletem as ondas de luz protegendo tanto da radiação UVB quanto da UVA. As duas substâncias químicas mais utilizadas como protetores físicos são o dióxido de titânio e o óxido de zinco que atualmente são disponíveis em partículas micronizadas, que conferem um resultado cosmético melhor à formulação.

A psoríase é uma doença inflamatóriacrônica e recorrente, que acomete principalmente a pele e as articulações e apresenta aumento da proliferação das células da epiderme. O início e o curso dependem de fatores genéticos, comportamentais e ambientais.

Apesar da evolução benigna, a psoríase determina um importante impacto na qualidade de vida, interferindo nas atividades diárias, nas relações sociais e interpessoais ou ainda atuando sobre aspectos psicossociais.

O tratamento depende da gravidade e extensão da doença. Casos mais leves podem ser tratados com medicamentos de uso local, como as pomadas de corticóide e os derivados da Vitamina D. Casos mais extensos ou em áreas específicas como couro cabeludo e unhas podem necessitar de tratamento sistêmico com medicações via oral ou injetáveis, como: metotrexate, acitretina, fototerapia (PUVA ou UVB), ciclosporina e imunobiológicos.

A Clínica Arruda, com as Dras Lúcia Arruda e Ana Carolina Bazán, tem vasta experiência no manejo de pacientes portadores de psoríase, pois essas médicas são responsáveis pelo ambulatório de psoríase da PUC de Campinas há vários anos.

O queloide é uma manifestação que representa um defeito da cicatrização normal da pele, quando ocorre deposição excessiva de colágeno. Representa uma proliferação de tecido fibroso que aparece, em geral, após traumatismos, às vezes mínimos, como queimadura, excisões cirúrgicas, ferimentos, vacinas e acne.

Embora se acredite que o trauma seja o fator desencadeante inicial, o restante do processo para formação do queloide ainda permanece desconhecido. Indiscutivelmente há uma predisposição individual e, às vezes, familiar, embora o modo de herança não esteja estabelecido. Os negros e afrodescendentes e pessoas de pele amarela têm predisposição maior.

O queloide representa um estresse psicológico e físico devido ao seu crescimento contínuo, prurido e aparência inadequada. Inicialmente, as lesões são róseas e de consistência mole e, posteriormente, tornam-se branco-acastanhadas, duras e inelásticas.

Existem várias modalidades de tratamento que podem ser utilizadas, inclusive com combinação entre elas:

  • combinação de injeção de triancinolona (corticóide) e crioterapia podem produzir bons resultados.
  • Géis de silicone também são utilizados.
  • Radioterapia pós-operatória é um método antigo, com mais de 20 anos de utilização, e ainda apresenta bons resultados em muitos casos. O resultado deste tratamento é melhor se a radioterapia é iniciada precocemente.
  • combinação de laser de CO2 e erbium-YAG tem diminuído a secreção de fatores de crescimento em queloides de face. Quando são associados ao uso de corticoide injetável, os resultados são melhores.

O vitiligo é uma doença que destroi as células que contêm o pigmento responsável pela cor da pele, por isso aparecem manchas brancas. A causa da doença ainda é desconhecida e, na grande maioria dos casos, não há nenhum prejuízo para a saúde. O vitiligo não é contagioso e nem hereditário, apesar de poder haver casos familiares com a doença.

Os locais mais afetados são as mãos, péspunhos, cotovelos, joelhos, rosto e região genital. Certos fatores podem desencadear o vitiligo em algumas pessoas, como ferimentos e inflamações na pele, queimaduras solares e estresse.

Dependendo da localização, da extensão e do tempo de surgimento do vitiligo, a doença pode ser curada. No entanto, a ciência ainda não descobriu quais os fatores que determinam a possibilidade de cura. Assim, alguns pacientes conseguem resultados positivos, outros não. Ou seja: existe um fator próprio em cada pessoa que determina a reação do corpo à doença. Os mesmos medicamentos utilizados em alguém que se curou podem não funcionar em outra pessoa. Todo tratamento é uma tentativa.

Sabe-se que o estado emocional influencia na manifestação e no tratamento da doença. Pessoas muito tensas, preocupadas, ansiosas e depressivas têm maior probabilidade de serem atingidas por novas manchas de vitiligo. Portanto, é necessário que o paciente tente aliviar as tensões emocionais para melhores resultados.

O tratamento do vitiligo pode variar desde o uso de medicamentos locais ou uso de comprimidos, até a indicação de técnicas cirúrgicas, radiação ultravioleta ou laser. O dermatologista deverá indicar o melhor tratamento para o paciente, observando o tipo e o estágio do vitiligo. Geralmente o tratamento tem longa duração e exige disciplina e persistência, pois o resultado depende da capacidade de reação do organismo.

Às vezes, na ausência de tratamento, o vitiligo tende a aumentar e comprometer outras partes do corpo; mas também pode ficar estável por tempo bastante prolongado.

Cosmiatria

A toxina botulínica é um agente bloqueador neuromuscular, produzido pela bactéria anaeróbica Clostridium botulinum e que exerce seu efeito inibindo a liberação da acetilcolina na junção neuromuscular. Assim produz uma paralisia do músculo que foi tratado. A cosmiatria é utilizada no tratamento das rugas dinâmicas da face e do pescoço e no tratamento de excesso de transpiração em axilas.

Todas as modalidades de esfoliação tratam a pele envelhecida ou as cicatrizes por meio da remoção da camada superficial da pele de modo controlado. Essa remoção da área danificada e da epiderme alterada irá estimular a produção de colágeno na derme. As esfoliações podem ser divididas em três níveis de profundidade. A superficial vai do estrato córneo à derme papilar (0,06 mm); a média-profunda, até derme reticular (0,045 - 0,6mm); a profunda, até derme média reticular (0,6 - 0,8mm), que é o limite de segurança para uma cicatrização adequada.

Os agentes utilizados nesses procedimentos podem ser químicos - resorcinol, solução Jessner, tretinoína, 5-fluouracil, ácido tricloroacético (ATA) 10 a 35% e fenol - ou físicos - microdermoabrasão, dermabrasão e laseres.

É interessante ressaltar que os níveis atingidos são muito variáveis e estão na dependência do preparo prévio e tipo da pele, da concentração, da quantidade do agente, do tempo de permanência e tipo do agente esfoliante escolhido: químico ou físico.

Há uma relação direta entre a profundidade da ferida e a regeneração do colágeno. Nas esfoliações químicas, a regeneração também ocorre pela inflamação e, nas esfoliações a laser, a regeneração do colágeno se faz também nas áreas de dano térmico reversível.

Existe um debate sobre a possibilidade de substituição das esfoliações mais profundas pelas superficiais ou muito superficiais realizadas repetidamente, o que produziria resultados semelhantes a uma única profunda. Assim, surgiram os chamados peelings do lunch time, com tratamentos seriados.

A escolha do agente e da profundidade está diretamente relacionada à intensidade do envelhecimento, às expectativas, características psíquicas e disponibilidade do paciente.

Atualmente, o tratamento de rejuvenescimento da pele é feito com um enfoque tridimensional, no qual se avalia e se trata a superfície e a profundidade cutâneas. Neste sentido, são utilizados os preenchedores cutâneos.

O preenchimento é um método que utiliza uma substância química sintética temporária, de longa duração ou definitiva para melhorar o volume, os contornos e as depressões da face. Estas substâncias podem ser usadas para tratamento de rejuvenescimento, para elevar cicatrizes de acne, para hidratar a pele e para preencher perdas de volume como em lábios, canto da boca, sulcos nasogeneanos, região malar e também perda do volume da mão.

Existem várias substâncias no mercado que podem ser usadas com estas finalidades e a escolha das melhores substâncias dependerá de uma avaliação prévia e de acordo entre médico e paciente.

Na Clínica Arruda, todos os dermatologistas possuem treinamento para a utilização dos mais variados preenchedores presentes no mercado, utilizando técnicas de aplicação corretas.

Realizada pelo aparelho Crystal Peel, que promove um processo de microdermoabrasão na pele, removendo superficialmente a camada córnea, proporcionando mais brilho à pele.

Indicações:

  • - pele opaca e sem viço
  • - manchas superficiais
  • - rugas finas

Endermoterapia (Dhermia) Trata-se de massagem modeladora e drenagem linfática mecânica realizada através de um sistema de vácuo e rolamento, associado a várias funções (depressomassagem, depressodrenagem, desfibrosagem). Favorece a eliminação de toxinas e de líquidos, promove a renovação e nutrição celular. Além de mobilizar a camada de gordura, aumenta o metabolismo local.

Pode-se considerar que os equipamentos que trabalham, simultaneamente, com pressão positiva (massageamento) e pressão negativa (vácuo) são os equipamentos mais utilizados e procurados para o tratamento das terapias não invasivas ligadas ao tecido subcutâneo, principalmente no caso da celulite (lipodistrofia local) e da redução de medidas.

Indicações

  • Tratamento da celulite
  • Gordura localizada
  • Pré e pós cirurgia plástica (lipoaspiração)
  • Drenagem linfática
  • Tonificação da pele
  • Má circulação

A aplicação da endermoterapia é feita, por profissional qualificado, através de um body de malha elástica que diminui o atrito, proporcionando maior deslizamento e eficiência sem agredir a pele.

Tratamento das estrias pode ser feito através de peelings superficiais, microdermoabrasão e laser. A Clínica Arruda conta com os aparelhos de Crystal Peel para microdermoabrasão e Laser Hamony Pixel para tratamento das estrias corporais (glúteos, mamas, braços, quadril, abdome e coxas)

A flacidez pode ocorrer em qualquer parte da pele e é decorrente do processo de envelhecimento cutâneo ou de grandes perdas de peso.

Se for exacerbada, o melhor tratamento é o cirúrgico, para remoção do excesso de pele. Se for moderada a leve ou pós-cirúrgica, podem ser usados os tratamentos com radiofrequência, cujo mecanismo de ação é aquecimento e contração do colágeno, promovendo maior firmeza à pele tratada após algumas sessões.

A Clínica Arruda conta com o aparelho de radiofreqüência Apollo que trata áreas de flacidez nos braços, mento (papada), mandíbula, abdome, interior de coxas e pescoço.

Laser

A presença de pelos em locais não desejados é um problema que aflige tanto mulheres quanto homens. Atualmente preconiza-se usar aparelhos a laser para sua remoção.

Este tratamento não é considerado definitivo em apenas uma sessão, sendo importante o paciente compreender que deverá se submeter a várias sessões. Por sua praticidade, simplicidade e bons resultados, é cada vez mais usado.

A Clínica Arruda, que sempre ofereceu tratamentos inovadores, modernos e cientificamente comprovados e estabelecidos na área dermatológica, trabalha, para epilação, com um aparelho a laser de diodo, o Light Sheer Duet, e também com a Luz Pulsada de 650nm.

O Light Sheer é um laser que produz um feixe de luz altamente concentrada. A luz emitida é absorvida pelo pigmento (melanina) localizado nos folículos pilosos, bem próximo à matriz do pelo. Durante o procedimento, o laser pulsa por uma fração de segundo, provocando o aquecimento do bulbo (raiz) do pelo, interrompendo o crescimento e produzindo sua destruição.

Indicações: epilação para homens e mulheres (axila, virilha, pernas, dorso, tórax, linha média do abdome, face, buço, mento e áreas da barba, pescoço e ombros).

Atualmente, a Clínica Arruda possui a versão nova do aparelho, o Light Sheer Duet, que possui 2 ponteiras, a tradicional e outra maior, a qual utiliza vácuo e é indicada para áreas maiores. Esta nova ponteira produz menos dor na aplicação e é mais rápida; eventualmente, poderá demandar maior número de sessões.

O tratamento com o laser pixel de CO2 e de Erbium-Yag produz uma ablação fracionada da pele. Isto quer dizer que trata a superfície (epiderme) e a profundidade (derme) em pontos e deixa áreas sadias entre a pele tratada, o que proporciona uma recuperação mais rápida em relação aos tratamentos mais antigos, que não utilizavam a terapia fracionada.

Cada um destes dois possui uma intensidade diferente e podem ser utilizados para problemas mais ou menos intensos, para pessoas mais jovens ou mais idosas.

Podem ser indicados para:

  • fotoenvelhecimento moderado a grave de face/pescoço, decote e dorso de mãos
  • rugas moderadas e profundas, finas superficiais
  • cicatrizes deprimidas de acne
  • cicatrizes inestéticas pós cirúrgicas

O tratamento a laser para as estrias depende se a estria é vermelha ou branca ou se há ambas no mesmo paciente.

Para estrias brancas utiliza-se o laser Pixel Harmony XL (Erbium - Yag) que é um laser fracionado cujo objetivo é remodelar e estimular colágeno; são necessárias algumas sessões para obtenção do efeito desejado.

Para estrias vermelhas pode-se associar ao Pixel a Luz Intensa Pulsada com bom resultado, melhorando o aspecto avermelhado da estria.

A Clínica Arruda também possui laser para remoção de tatuagens. O módulo Elektra é um laser NdYag Q-Switch fracionado de alta potência da plataforma Harmony XL.

Com o fracionamento do laser NdYag Q-Switched, este se torna muito mais seguro, permitindo a sua utilização com muito mais conforto para o paciente e sem downtime.

O laser de tatuagem reconhece os pigmentos escuros e coloridos (exceto amarelo) e são necessárias várias sessões para remoção completa da tatuagem.

Nas pele existem pequenos vasos superficiais que por determinados estímulos podem ser tornar dilatados, são as chamadas telangiectasias ou microvarizes.

A Clínica Arruda possui um laser ND-Yag voltado para o tratamento seguro e eficaz de lesões vasculares em qualquer região do corpo (face, pernas e etc) com bons resultados em poucas sessões. Além disso possui nova tecnologia com ponteira resfriada que melhora o conforto durante a aplicação.

Manchas solares, manchas senis e sardas (efélides) surgem na face após exposição crônica ao sol e podem ser acompanhadas de perda de viço, rugas e opacidade da pele, o que produz um aspecto envelhecido ao rosto.

A Luz Intensa Pulsada (Harmony XL) é uma tecnologia que reconhece a concentração de pigmento (melanina) na pele e promove sua destruição reduzindo as manchas; é também absorvida pela hemoglobina, situada nos vasos, o que melhora a aparência avermelhada da pele.

Estimula também a produção de colágeno, melhorando a consistência e brilho da pele.

Indicações:

- manchas senis e solares
- telangectasias (pequenos vasos) de face/pele avermelhada
- poiquilodermia de Civatte (pescoço e colo pigmentados e avermelhados)
- sardas (efélides)
- rejuvenescimento facial, do pescoço, V do decote e dorso de mãos
- tratamento coadjuvante da acne inflamatória e rosácea
- cicatrizes hipertróficas e quelóides
- estrias vermelhas

A radiofrequência é uma energia que estimula a reparação e o remodelamento do colágeno através do calor. É indicada para melhorar a tensão da face/pescoço e das pálpebras. Não produz alterações visíveis na superfície da pele, mas sim na flacidez da mesma. Assim, é utilizada para melhorar o contorno facial.

Também tem indicação para tratamento corporal, em áreas de flacidez e celulite, como coxas, região interna do joelho, nádegas, região interna dos braços.

N.I.R. (INFRAVERMELHO)

Tecnologia inovadora para estímulo do colágeno e tratamento da flacidez. Com a Ponteira N.I.R., é possível realizar tratamentos de Skin Tightening através da tecnologia de infravermelho próximo que aquece profundamente a pele, combatendo a flacidez e melhorando sua arquitetura.

A Ponteira N.I.R. estimula a infiltração de fibroblastos e a formação de novas fibras de colágeno, melhorando a arquitetura e o tônus da pele e prevenindo o envelhecimento futuro. A presença de colágeno na derme saudável ajuda a manter a juventude de sua elasticidade e textura. A tecnologia IN-MOTIONTM, garante um procedimento praticamente indolor para o paciente.

É um procedimento que estimula a regeneração do colágeno e contração da vagina. Os resultados são imediatos e o melhor: o procedimento é indolor. Pacientes retornam com depoimento de que suas vidas mudaram significativamente de uma forma que jamais poderiam imaginar, que um procedimento de apenas 30 minutos pudesse oferecer para elas uma melhor qualidade de vida. Os resultados foram muito acima de suas expectativas. Passaram a sentir-se mais confiantes e afirmaram que a vida sexual teve considerável melhora. O procedimento é indicado para tratar a incontinência urinária (não todos os tipos) e melhora o desempenho sexual, melhorando a lubrificação e a contração vaginal.

As principais indicações são: atrofia do canal vaginal, perda da vascularização na região e consequente diminuição da lubrificação e incontinência urinária (quando indicado).

A ponteira tem uma proteção inédita na forma de um dispositivo descartável, com uma janela especial para saída do laser, que protege a paciente de contaminação cruzada. O procedimento é rápido, sem dor e não requer anestesia.

 Como funciona?
O equipamento emite raios de laser CO2 fracionado. Ao atingir a parede vaginal, estes raios estimulam a regeneração do colágeno através da geração de calor. A regeneração do colágeno reforça a estrutura da parede vaginal, melhorando a contração. Esta contração contribui na melhora da incontinência urinária. Outro efeito é a melhora da lubrificação.

 Como é a recuperação após o procedimento?
O procedimento é indolor e a paciente pode retornar às atividades de imediato e a atividade sexual em 3 ou 4 dias, de acordo com a orientação de seu médico.

 É possível sentir os resultados de imediato?
Após o procedimento, já é possível notar os resultados, mas estes serão mais evidentes alguns dias após o tratamento quando o edema desaparecer. O rejuvenescimento vaginal a laser tem uma alta taxa de satisfação em mulheres que se submeteram ao tratamento.

 Com qual idade posso fazer o procedimento?
Não há uma idade específica, sendo imprescindível a avaliação ginecológica para melhor indicação.

 Rejuvenescimento Vaginal
Combinação de exclusivas tecnologias do equipamento Pixel CO2, para promover o rejuvenescimento vaginal. Em estudo realizado com 72 pacientes, 87% delas relataram aumento significativo na contração vaginal e lubrificação.

Consulte o seu médico para uma correta avaliação do seu caso e indicação do tratamento.

Comprometimento e qualidade é uma busca constante em todas as especialidades médicas da Clínica Arruda
(Dermatologia, Cirurgia Plástica, Urologia e Reumatologia).